" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

domingo, 18 de março de 2012

Lançador de foguete Panzerfaust ou Faustpatrone

Tipo: Arma anti tanque portátil
País de origem: Alemanha Nazista
Tempo de serviço: 1942 a 1945
Total produzido: cerca de 6 milhões
Variantes: modelos 30,60,100,150,250
Peso: 6,250 kg 
Comprimento: 1 metro
Diâmetro: 149 mm 
Alcance efetivo: 60 m 

O Panzerfaust "punho tanque", era um lançador de foguete barato, sem recuo, anti-tanque alemão usado na Segunda Guerra Mundial. Ela consistia de um pequeno tubo de lançamento, descartável pré-carregado disparando uma ogiva com explosivo anti-tanque, sendo operado por um único soldado. O Panzerfaust estava em serviço desde 1942 até o fim da guerra. Um precursor do Panzerfaust era o Faustpatrone (literalmente "punho cartucho"). Muito menor do aspecto físico, o Faustpatrone era realmente mais pesado que o Panzerfaust mais conhecido.                                                    O desenvolvimento do         Faustpatrone começou no verão de 1942 na empresa alemã HASAG com o desenvolvimento de um pequeno protótipo chamado Gretchen, por uma equipe liderada pelo Dr. Heinrich Langweiler em Leipzig. O conceito básico era o de uma arma sem recuo, nem Faustpatrone, nem seu sucessor, o Panzerfaust eram foguetes. O modelo de arma seguinte do Panzerfaust, o assim chamado Faustpatrone Klein, de 30 mm tinha um peso total de 3,2 kg e um comprimento de 98,5 centímetros, seu projétil tinha um comprimento de 36 cm e uma ogiva com um diâmetro de 10 cm, com o peso de 400 g com uma mistura de 50:50 de TNT e tri-hexogeno. O propulsor consistia de 54 g de pó preto, o tubo de lançamento de metal tinha um comprimento de 80 cm e um diâmetro de 3,3 cm. As ogivas tinham hastes de madeira dobradas formando aletas estabilizadoras feita de de metal. Essas lâminas curvadas abriam logo que saiam do tubo de lançamento. A ogiva atingia uma velocidade de 28 m / s ou 100 km/h, podendo penetrar uma blindagem de até 140 mm de aço liso. Dois problemas principais surgiram muito antes dos ensaios da arma: em primeiro lugar, o modelo original não tinha um dispositivo de mira e por outro, devido à forma estranha da ogiva ela tendia a ricochetear ou explodir com o menor efeito sobre uma armadura inclinada, especialmente quando utilizado contra o tanque russo T-34. Uma vez que estes problemas surgiram no início dos ensaios, o desenvolvimento e a produção de seu sucessor, o Panzerfaust 30, já tinha começado no momento das primeiras entregas, a incorporação de inibir possíveis soluções para os problemas no novo desenho e perpetuar suas fraquezas. Ainda assim, o pequeno Faustpatrone foi mantido em produção até 1945. Sendo este tipo de armamento anti-blindado alemão o mais usado até o fim da Segunda Guerra Mundial.
   O desenvolvimento começou em 1942 de uma versão maior do Faustpatrone, resultando no Panzerfaust 30, com um peso total de 5,1 kg e com um comprimento total de 1,045 metros. O tubo de lançamento era feito de aço com 44 mm de diâmetro, contendo de 95 g de carga de propelente pó preto. Ao longo do lado do tubo foi feito um sistema de mira simples e um gatilho. A ogiva tinha 140 mm de diâmetro, sendo colocada na frente do tubo por uma haste de madeira com cauda e aletas de metal como estabilizantes. A ogiva pesava 2,9 kg e continha 800 g de uma mistura de 50:50 de TNT e explosivos hexogeno e podendo penetrar uma blindagem de 200 mm.
O Panzerfaust frequentemente tinha avisos escrito em grandes letras vermelhas na extremidade superior traseira do tubo, as palavras diziam ("Atenção! Jato de fogo!"). Isto era para advertir soldados para evitar a explosão de volta. Após o disparo, o tubo era descartado, fazendo com que o Panzerfaust fosse o primeira arma anti-tanque descartável. Durante os últimos estágios da guerra, muitos recrutas mal-treinados foram agraciados com uma Panzerfaust e nada mais. A arma quando usada corretamente poderia penetrar qualquer blindagem de veículos da época.
Na Batalha da Normandia, apenas 6% das perdas de tanques britânicos eram de fogo dos Panzerfaust, apesar do combate de curto alcance. No entanto, a ameaça dos Panzerfaust forçavam as forças blindadas a esperar o apoio da infantaria antes de avançar. A porção de tanques britânicos destruídos por Panzerfausts caiu para 34%, queda explicada provavelmente pela falta de armas anti-tanque no final da guerra e também o terreno onde a luta ocorreu.
No combate urbano no final da guerra no leste da Alemanha cerca de 70% de tanques destruídos foram atingidos por Panzerfausts ou Panzerschrecks. As forças soviéticas reagiram através da instalação de mais blindagem em seus tanques no início de 1945, apesar de ser facilmente removido pela explosão das Panzerfaust. Para cada companhia de tanques foi atribuído um pelotão de infantaria para protegê-los contra soldados armados com armas anti-tanque.
Os Estados Unidos capturou alguns Panzerfausts na campanha da Sicília, e mais tarde durante os combates na Normandia. Estes eram mais eficazes do que suas próprias Bazookas, usadas durante os últimos estágios da campanha da França e até mesmo nos Países Baixos durante a campanha Market-Garden. Os aliados capturaram um depósito de munição de Panzerfausts perto de Nijmegen, e usaram na Ofensiva das Ardenas até o fim da guerra. 
Modelos das Panzerfaust 30 Klein ("pequeno") ou Faustpatrone: esta foi a versão original, entregue em Agosto de 1943, com um peso total de 3,2 kg, comprimento de 98,5 cm, alcance de 30 m, ogiva contendo 54 g de propelente pó preto com um peso total de 400 g de explosivo. O projétil percorria apenas 30 m / s e podia penetrar blindagens de até 140 mm.
Panzerfaust 30: uma versão melhorada produzida em agosto de 1943, esta versão tinha uma ogiva maior e com maior poder de penetração cerca de 200 mm, mas mantinha o alcance de de 30 m.
Panzerfaust 60: esta foi a versão mais comum, com a produção a partir de setembro de 1944. Ele tinha um alcance de 60 m, embora com uma velocidade inicial de apenas 45 m / s oque levaria 1,3 s para a ogiva alcançar o tanque a uma distância de 60 m. Para alcançar uma velocidade mais elevada, o diâmetro do tubo foi aumentada para 5 cm e com uma carga de 134 g para o propulsor. Ele também tinha uma visão tipo flip na traseira e mecanismo de disparo. A arma agora pesava 6,1 kg.
Panzerfaust 100: esta foi a versão final, produzida a partir de novembro de 1944. Tinha um alcance máximo de 100 m, propulsor com 190 g de propelente, lançando a ogiva com uma velocidade de 60 m/s. O lançador 100 podia utilizar foguetes dos modelos 30, 60, 80 e 150. Esta versão pesava 6 kg e podia penetrar uma blindagem de 220 mm 
Panzerfaust 150: esta foi uma grande reformulação da arma, e foi implantado em número limitado perto do fim da guerra. O tubo de lançamento foi reforçado e passou a ser reutilizável para até dez tiros. Uma nova ogiva com ponta, foi desenvolvida oque aumentou a penetração e uma maior velocidade cerca de  85 m/s. A produção começou em março de 1945, dois meses antes do fim da guerra.
Panzerfaust 250: programado para entrar em produção em setembro de 1945. Semelhante ao 150, mas com um tubo mais longo e um punho com um gatilho, semelhante ao RPG-2A guerra terminou antes que o desenvolvimento tivesse sido concluído. 

Nenhum comentário:

Videos de aviões

Loading...