" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

GUERRA DA CORÉIA

Guerra da Coréia 1950-1953


U. S. News & World Report
09 de agosto de 1993
SEÇÃO: Relatório Mundial; vol. 115, n º 6, pg. 45
TÍTULO: Segredos da Guerra da Coréia
ESCRITO POR: Por Stanglin Douglas, Pedro Cary
LOCAL: Moscou
ASSUNTO:  Quarenta anos depois, as evidências apontam envolvimento de Stalin na Guerra da Coréia.



Trancado em um cofre na sede da Geral do governo russo em Moscou um mapa altamente incomum mapa. Foi elaborado em 1950 por Joseph Stalin e seus conselheiros militares. O próprio Stalin aprovou o mapa e as rotas que mostra o Norte. As tropas da Coreia do Norte invadindo a Coréia do Sul. O mapa é a parte central das evidências de que a União Soviética foi apenas um espectador no amargo conflito  na
Península da Coréia. A guerra custou 33.651vidas americanas.

Após 40 anos desde que o armistício foi assinado acabando com a guerra, mas só agora o papel de Moscou ficou conhecido neste conflito. Nos anos desde a conclusão da guerra, as agências de inteligência Americana, tinham evidências que sugeriam o envolvimento soviético no conflito, porém o assunto foi escondido por Washington, já Moscou procurou evitar o confronto.
Um documento do início da década de 50 do Conselho de Segurança Nacional, por exemplo, afirma que autoridades dos EUA, "Não deverá referir-se a URSS como um agressor na Coréia. "Sabíamos que estavam comandando o show", reclama Philip Corso, tenente-coronel reformado do Exército, que
trabalhou na Casa Branca após a coleta inteligência na Coréia. "Mas o poder que está de volta aqui não quer falar sobre isso. "

A nova evidência vem do recém-inaugurado Arquivo Russo feito por historiadores russos e americanos. As novas informações preenchem lacunas importantes no registro histórico, outro material levanta novas questões a serem exploradas. Em entrevistas a U. S. News, uma série de funcionários soviéticos com conhecimento do papel de Moscou na Guerra da Coréia falou publicamente sobre o assunto pela primeira vez. Um deles era um historiador militar soviético que tinham acesso aos documentos da Guerra da Coréia ordenados por Nikita Kruchev. Entre suas reivindicações estavam:

O plano de guerra original, o qual foi aprovado por Moscou, dizia que o conflito levaria apenas uma semana. Os norte-coreanos deveriam capturar Seul no prazo de três dias e todos o resto do da Coréia do Sula no prazo de sete dias.

Stalin repreendeu severamente o líder norte-coreano Kim II, ao responder "ainda não" quando lhe foi perguntado se suas forças estavam preparadas para a invasão do sul. Kim foi forçado a sentar-se fora do escritório de Stalin por horas até que Kim mudou sua resposta.

Os pilotos soviéticos combateram a Força Aérea Americana no início da Guerra da Coréia usando aviões
que foram transportados secretamente para bases aéreas ao longo da Manchúria na fronteira. Os pilotos soviéticos e chineses usavam uniformes iguais e foram treinados para usar frases em chinês no rádio para
mascarar o seu envolvimento na guerra, houve um caso que um piloto soviético foi atingido, rapidamente seu ala metralhou seu avião, explodindo o mesmo, para que sua nacionalidade não fosse descoberta.
Como parte do plano de Stalin para criar um estado soviético amigo na Coréia do Norte, cerca de 15.000 a 20.000 cidadãos soviéticos que foram etnicamente coreanos foram mandados de volta para a Coréia de 1945 a 1948. Muitos ocuparam altos cargos militares e governamentais, incluindo 2.000 a 3.000 especialistas militares.

Kim Il Sung foi escolhido a dedo por Stalin, entre vários outros candidatos, Kim ficou sabendo de sua seleção por Stalin em uma reunião na cidade soviética de Khabarovsk no início de 1945. No arquivo pessoal militar de Kim mostra que ele tinha uma Comissão do Exército Soviético e que tinha vivido na Rússia. Fontes dizem que ele até teve uma filha, na cidade de Leningrado. Na reunião de Khabarovsk, um general soviético disse a Kim que ele tinha sido escolhido para uma "nova tarefa" na Coréia do Norte. Em seguida, Kim apareceu na Coréia do Norte em setembro de 1945, escoltado por oficiais das forças armadas soviéticas.

A principal fonte de novas informações é Gavril Korotkov, um ex-oficial de inteligência da União Soviética, agora trabalha no Instituto de História Militar da Rússia. Korotkov acaba de concluir um manuscrito de Stalin intitulado "Generalíssimo's Last War. "Ele começou sua pesquisa de 40 anos, entrevistando os participantes, mesmo durante a guerra e mais tarde, o chefe da Guerra da Coréia o Maior General Soviético Nikolai, que foi chefe do departamento de Estado-Maior Geral do Extremo Oriente. Korotkov obteve informações de várias fontes sobre sessões de planejamento da guerra em Moscou. O primeiro ocorreu em março de 1949. Uma visita de Kim a Moscou nesse ano foi divulgada, mas o que aconteceu nas reuniões entre Kim e líderes soviéticos nunca foi revelado. Em uma sessão, fontes de Korotkov disseram que Kim foi informado pelo ministro da Defesa, Marechal Nikolai Bulganin que ele precisava conversar com Stalin sobre a necessidade de uma invasão do sul. Kim se reuniu com o Stalin no
dia seguinte em 06 de março, de acordo com a General Lomov e o premier soviético se comprometeu a enviar vários de seus principais conselheiros para ajudar a planejar a invasão. "Nós não podemos resolver o problema da Coréia, com os americanos", disse Kim, segundo fontes Korotkov. "Temos que
resolvê-lo nós mesmos. Nós não podemos usar as tropas soviéticas, que é clara. Mas você com o Estado, o Governo e o Exército, você pode fazê-lo ".

Em 12 de março, Kim reuniu novamente com o Marechal Bulganin e um grupo de almirantes e generais soviéticos. Esta sessão foi dedicada a um planejamento mais detalhado da guerra. Korotkov diz que viu Bulganin no relatório da reunião. No texto, Korotkov diz, "você pode sentir a urgência de preparar o Exército para a ofensiva. "

Kim retornou a Moscou em Fevereiro de 1950. Está visita foi secreta. Lomov, que estava no quarto, no momento, descreveu a cena Korotkov: Kim disse para Stalin que não estava pronto para invadir, porque Mao Tsé-tung não havia retornado com duas divisões coreanas, que havia planejado usar, devido ao cancelamento do Ataque a Taiwan. O premier soviético estava furioso com o atraso. "Stalin disse a Kim que eles estavam prontos para iniciar o combate e não podia esperar ", Korotkov explica: Stalin ordenou a Kim que fosse até a sala de recepção sentasse e pensasse sobre isso. "Kim foi convidado a voltar após um longo tempo de espera, Korotkov lembra oque aconteceu em seguida: "Stalin disse a Kim que ele deveria estar pronto em maio e não mais tarde. Kim respondeu que ele estaria pronto. "

Stalin iria aprovar o plano de invasão de seis semanas após está reunião. No último minuto, porém, a invasão foi adiada de maio até 25 de junho, porque Mao demorou para devolver as duas divisões coreanas que havia, sido emprestada. 

Nem todos os historiadores são facilmente convencidos pelas novas informações. Kathryn Weathersby, um professor da Universidade Estadual da Flórida está fazendo uma pesquisa em Moscou, diz que o Stalin belicista descrito por Korotkov está em desacordo com as referências nos arquivos russos e que Kim teria insistido para que Stalin apoia-se a inavasão da Coreia do Norte contra o Sul. Mas ele e outros historiadores reconhecem que há um crescimento das evidências que mostram que Stalin, mesmo que relutante, envolveu-se profundamente nos planos de guerra real.

A guerra aérea secreta. O novo material, por exemplo, indica que a ajuda soviética em massa para o Norte no esforço de guerra da Coréia. De 1946 a 1949, o Exército da Coréia foi equipado com tanques,  artilharia de campo e aeronaves soviéticas. Um ainda secreto relatório Soviético aponta que todos os equipamentos foram avaliados em 1 bilhão de Rublos e os coreanos receberam sem nenhum custo.

No início da guerra aérea, praticamente todos os aviões eram soviéticos, mesmo após a entrada do lado chinês na Coréia do Norte em 1950, Moscou forneceu metade dos aviões utilizados pela Coréia do Norte. Moscou enviou cerca de 5.000 pilotos o que seria, essencialmente, uma guerra aérea de dois anos entre os pilotos soviéticos e americanos. Em uma série de artigos, o tenente-general Georgi Lobov, então comandante da 64 Fighter Air Corps, que lutaram na Coréia do Norte, os caças soviéticos foram eficazes, Lobov diz, devido a velocidade dos caças americanos que tinham que acompanhar os bombardeiros, os caças aproveitavam este detalhe e atacavam as formações em ataques de alta velocidade. Apesar dos soviéticos terem superado os americanos em números de 10 para 1, Lobov afirma que apenas 1.300 aviões dos EUA foram abatidos em combate ar-ar ou pela artilharia anti-aérea.
Duelos. Em uma longa entrevista, Yevgeni Pepelyaev oferece um relato da guerra aérea secreta ele era piloto de caça e foi homenageado como um herói da União Soviética por abater 20 aviões americanos,
Pepelyaev diz que foi "voluntário" em 1950 para ir para a Coréia, com o intuito de treinar pilotos coreanos, mas em abril de 1951, Pepelyaev diz, ele foi mandado para combate. Em 10 meses, foi condecorado, seus pilotos voavam em média 120 missões de combate, alguns chegavam a voar cerca de 150 missões. Pepelyaev acumulou 108 voos de combate e entrou em duelos com os americanos cerca de 38 vezes.

Os soviéticos chegaram ao extremo para esconder seu envolvimento. Eles pintaram insígnias chinesas em
todos os seus aviões, o resultado foi uma grande confusão no ar, diz Valentin Golubev, um mecânico da Força Aérea Soviética. Os pilotos soviéticos também usavam uniformes chineses, com botas vermelhas de cano alto, em missões de combate, as equipes soviéticas deveriam falar apenas chinês. "Recebemos uma ordem do nossos comandantes e uma lista de comandos em chinês ", lembra Pepelyaev. "Era usado a lingua chinesa, até o primeiro e verdadeiro combate no ar, após isso todos esqueciam, não apenas nossos comandos em chinês, mas palavras russas também, exceto os palavrões ".

Apesar de todos os seus esforços, o envolvimento dos soviético era um segredo aberto. Diz Pepelyaev: "Os norte-americanos sabiam muito bem sobre todos nós". Já Golubev o mecânico soviético disse: "Eu me lembro de alguns representantes da ONU, que sempre levantavam essa questão da luta contra os russos na Coréia e nossas autoridades soviéticas sempre negavam isso".

Os soviéticos também se tornaram prisioneiros de guerra. Korotkov e o Coronel Alexander Orlov, também um oficial de inteligência, afirmam que cerca de 80 especialistas soviéticos  foram capturados e levados para interrogatórios diretamente com os americanos. Korotkov diz que foi interrogado duas vezes pelos americanos, principalmente sobre suas origem. Ele lembra de ter conversado com um americano por mais de uma hora: "Nosso objetivo comum foi o de tentar recrutá-lo, para trabalhar para nós. Nós não tivemos sorte com os americanos. Eles estavam muito seguros e estavam certos de que seriam resgatados e voltariam para os Estados Unidos".

Infelizmente, para muitos isso não aconteceu. Durante a Guerra da Coréia, 10.218 americanos foram feitos prisioneiros, desses apenas 3.746 retornaram. O Coronel Corso, que foi o chefe da Agência de Projetos Especiais do Extremo Oriente, disse que teve conhecimento de que pelo menos 500 prisioneiros de guerra feridos e doentes não foram devolvidos pelos norte-coreanos. Corso diz que é possivel que milhares de prisioneiros vivos não voltaram para casa. Para Corso, os fabricantes da política dos EUA deve assumir a culpa por não apresentar as provas iniciais da participação mais agressiva da União Soviética. Corso conclui: "O que você tem aí é tudo verdade".
Segredos:  um mecânico da Força Aérea Soviética, diz que seu papel na Guerra da Coréia era tão secreto que nunca foi autorizada usar a medalha que ele recebeu dos chineses. O Coronel Alexander Orlov, um oficial da inteligência soviética, diz que preparou perguntas técnicas a serem feitas aos prisioneiros de guerra americanos. Yevgeni Pepelyaev, que abateu 20 aviões inimigos, foi "voluntário" para lutar secretamente na Guerra da Coréia. "Nós fomos informados que nós eramos os mocinhos, defendendo os norte-coreanos ", diz ele. Uma cópia do mapa que Stalin aprovou mostra a invasão planejada, o original é
trancada em um cofre, em Moscou.

A Guerra da Coréia tambem ficou conhecida como "A Guerra Esquecida "todos deveriam ler sobre isso.

Nove Fatos Sobre a Guerra:


~ Antes da guerra, em setembro de 1949, os comunistas tomaram o governo da China, provocando o medo dos EUA de espalhar o comunismo pelo mundo.
~ A guerra começou em 1950 quando os comunistas norte-coreanos atravessaram o paralelo 38, a linha entre comunistas e livres, na Coréia do Sul.
~ Através das Nações Unidas, os EUA e outros 16 países mandaram homens e armas para deter a expansão do comunismo.
~ A ONU e o presidente Truman esperava uma invasão que levaria a um reencontro das duas Coréia. A ONU empurrou a missão para a Chinaa China advertiu que eles parassem.
~ Depois das Nações Unidas ignorarem as advertências da China, a ONU continuou a enviar suas tropas em direção à China, centenas de milhares de soldados chineses, atacaram e perseguiram as tropas da ONU.
~ Truman foi demitido por MacArthur, comandante de todas as forças da ONU, por causa de críticas públicas de MacArthur de suas ordens, apesar de muitos apoiarem o General.
~ Dwight D. Eisenhower ganhou as eleições presidenciais de 1952 e provocou uma reviravolta no conflito quando alertou a todos que estava pronto para usar armas nucleares e levar a guerra para a China.

Com isso, o comunismo foi contido na Coréia do Norte.

A guerra da Coréia segundo os livros de história, teve inicio em 25 de junho de 1950 e terminou em 27 de julho de 1953. Os Estados Unidos e a União Soviética eram ex-aliadas e a guerra da Coréia aconteceu devido o conflito entre eles. A Coréia é dividida pelo paralelo 38 que é usada para demarcar os territórios dos dois exércitos. A Coréia do norte era comunista liderada pela União Soviética e a Coréia do sul era capitalista liderada pelos Estados Unidos.

Em 03 de julho de 1950, depois de várias tentativas para derrubar o governo do sul, a Coréia do norte ataca de surpresa a capital. O governo do sul por sua vez enviam tropas comandadas pelo general Douglas McArthur para que a Coréia do sul retire os invasores do seu território. Em setembro o governo do sul começa a atacar o exército norte-coreano a fim de conquistar a costa oeste ocupada por eles. Os norte-coreanos foram vencidos e três meses após o conflito Seul, capital da Coréia do Sul foi desocupada. Em outubro, as forças internacionais violam o paralelo 38 e atacam a Coréia do norte.

A capital norte-coreana é invadida pelo exército sul-coreano e pelas tropas americanas aproximando-se da China. A China por sua vez, temerosa por uma invasão mandou tropas para ajudar a Coréia do norte. O general Douglas McArthur insistiu em uma invasão à China e por isso foi substituído pelo general Ridway em abril de 1951. Em 23 de junho de 1953 iniciou-se o processo de negociações pela paz que durou dois anos. As negociações resultaram num acordo assinado em Panmujon em 27 de julho de 1953. Foi então que o conflito terminou, mas o tratado de paz até hoje não foi assinado e a Coréia continua dividida em norte e sul.

Foram cerca de três milhões e meio de mortos na guerra da Coréia e outros milhares presos amontoados em campos de concentração.

Videos de aviões

Loading...