" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Arma termobárica

A arma termobárica, é mais conhecida como uma "bomba de ar e combustível", é uma arma explosiva que produz uma onda de choque, com uma duração significativamente mais longa do que as produzidos por explosivos condensado. Isso é útil em aplicações militares, onde a sua maior duração aumenta o número de vítimas e causa mais danos às estruturas. Há muitas variantes diferentes de armas termobáricas que podem ser montados à mão, como lançadores tipo RPGs e armas antitanque.
   Os explosivos termobáricos cortam o oxigênio do ar circundante, enquanto a maioria dos explosivos convencionais consistem de uma pré-mistura de combustível oxidante (por exemplo, a pólvora contém combustível de 25% e 75% oxidante). Assim, com base no peso-para-peso são significativamente mais energético do que os explosivos condensado. Sua dependência de oxigênio atmosférico torna-os impróprios para utilização debaixo de água, em altitudes elevadas ou em condições atmosféricas adversas. No entanto, eles tem vantagens significativas quando implantado dentro de ambientes confinados, tais como túneis, cavernas e bunkers.
   O termo termobáricas é derivado das palavras gregas para "calor" e "pressão": thermobarikos. Outros termos utilizados para esta família de armas são armas termobáricas de alto impulso, armas de calor e pressão, bombas de vácuo, ar-combustível ou explosivos.
   Em contraste com explosivos condensado onde a oxidação em uma região confinada produz uma frente de rajada, essencialmente, a arma termobárica cria um ponto de origem, que cria uma grande explosão que acelera um grande volume produzindo frentes de pressão tanto dentro da mistura de combustível e oxidante e, em seguida, no ar circundante. 
   Os explosivos termobáricos criam após as explosões uma nuvem de vapor, que incluem dispersões de poeiras inflamáveis ​​e gotículas. Em épocas anteriores eram mais frequentemente encontrados em fábricas de farinha e em seus recipientes de armazenamento, e mais tarde em minas de carvão , mas agora mais comumente em navios petroleiros e refinarias descarregada, sendo a mais recente em Buncefield, no Reino Unido, onde a onda de choque acordou pessoas que moravam a cerce de 150 km a partir do centro da explosão.
   O sistema da arma termobárica consiste de um recipiente cheio de uma substância combustível, no centro da qual existe um pequeno explosivo convencional chamado de "carga de dispersão". Os combustíveis são escolhidos com base em sua oxidação, que variam de metais em pó, tais como alumínio ou magnésio, ou materiais orgânicos, possivelmente com um oxidante auto-contido parcial. O desenvolvimento mais recente envolve o uso de nanocombustiveis.
   O rendimento efetivo de uma bomba termobárica requer a combinação mais apropriada de uma série de fatores, entre eles o quão bem o combustível é disperso, a rapidez com que se mistura com a atmosfera envolvente do início da ignição e sua posição em relação ao recipiente de combustível. Em alguns casos, o combustivel e o ignitor são separados para dispersar e inflamar o combustível. Em outros projetos existem casos que permitem que o combustível seja contido por tempo suficiente para que o combustível aqueça bem acima de sua temperatura de auto-ignição, de modo que, mesmo a sua refrigeração durante a expansão do recipiente, resulta em ignição rápida uma vez que a mistura está dentro dos limites de inflamabilidade convencionais. 
   Em confinamento, uma série de ondas de choque reflexiva são geradas, mantendo a bola de fogo que pode estender a sua duração entre 10 e 50 segundos. Além disso existe o resfriamento dos gases e a pressão cai drasticamente, levando a um vácuo parcial, poderoso o suficiente para causar danos físicos a pessoas e estruturas. Este efeito tem dado origem a "bomba de vácuo".
   A sobrepressão dentro da detonação pode chegar a 430 psi e a temperatura pode ser de 2.500° a 3.000° celsius. Fora da nuvem a onda de choque viaja a mais a 3,2 km / s.
   Em um estudo feito em 01 de fevereiro de 2000 pela Agência de Inteligência de Defesa dos EUA diz que: A explosão contra alvos vivos é único e desagradável .... O que mata é a onda de pressão, e mais importante, a rarefação subsequente "vácuo", que rompe os pulmões .... Se o combustível deflagrar, mas não detonar, as vítimas serão severamente queimadas e provavelmente também inalem o combustível em chamas. Uma vez que os combustíveis mais comuns utilizados, são o óxido de etileno e óxido de propileno, que são altamente tóxicos, uma vez detonados deve ser tão letal para o as pessoas dentro da nuvem como a maioria dos agentes químicos.
   De acordo com um estudo separado da Agência Central de Inteligência dos EUA "o efeito de uma explosão dentro de espaços confinados da arma termobárica é imensa. Aqueles perto do ponto de ignição são simplesmente desaparecem. Aqueles na orla são propensos a sofrer muitos ferimentos internos, e, portanto, invisível, incluindo o estouro do tímpano e órgãos do ouvido interno, concussões grave, pulmões e orgãos internos, e, possivelmente, a cegueira". De acordo ainda com o documento especula-se que "choque e ondas de pressão causam o mínimo de dano ao tecido cerebral ... é possível muitas das vítimas de tal arma ainda que inconcientes pela explosão, possam sofrer por alguns segundos ou minutos, enquanto eles sufocam."
   Uma nova plataforma portátil de lançamento de uma arma termobárica foi desenvolvida pelos russos a RPO-A um lança foguete, que foi amplamente desenvolvido, a RPO-A, ficou conhecida por ter sido usado na Chechênia.
   As forças armadas russas desenvolveram variantes de munição termobáricas para várias de suas armas, como a granada TGB-7V termobáricas com um raio de letalidade de 10 metros, que pode ser iniciado a partir de um RPG-7. A GM-94 de 43 mm um lançador de granadas que é projetado principalmente para disparar granadas termobáricas para o combate próximo. Com a granada pesando 250 gramas sendo 160 gramas de mistura explosiva, o seu raio de letalidade é de 3 metros. A RPO-A é uma RPG projetado para disparar foguetes termobáricos. O RPO-M, por exemplo, tem um ogiva termobárica com semelhante capacidade destrutivas como um projétil de artilharia de 152 mm de alto poder explosivo de fragmentação. A RPG-27 e RPG-26, respectivamente tem a variante mais potente, com sua ogiva que pode atingir uma area de 10 metros de letalidade e produzindo os mesmos efeitos de cerca de 6 kg de TNT.  O RMG é um mais derivados do RPG-26 que usa uma ogiva em tandem-carga, em que a ogiva principal produz uma abertura para a carga principal termobárica entrar e detonar no interior.
   Existem muitas outras munições de origem russa com variantes termobáricas, o foguete S-8 de 80 mm tem as varienate termobáricas S-8DM e S-8DF. O S-8 de 122 mm, possui o foguete e o S-13D e S-13DF variantes termobáricas. Ogiva do S-13DF pesa apenas 32 kg, mas seu poder é equivalente a 40 kg de TNT. A variante KAB-500-OD da KAB-500KR tem uma ogiva termobárica de 250 kg . As bombas ODAB-500PM e ODAB-500PMV tem uma ogiva de 190 kg. A KAB-1500S GLONASS  guiada por GPS possui uma ogiva de 1.500 kg, está bomba terá uma bola de fogo com um raio de 150 metros e sua zona de letalidade é de um raio de 500 metros.
   Em setembro de 2007 a Rússia com sucesso explodiu a maior arma termobáricas já feito. Seu resultado teria sido maior do que a menor arma nuclear produzida. A Rússia nomeou este material bélico em particular com o "Pai de Todas as Bombas" em resposta aos Estados Unidos que desenvolveram a MOAB, cuja sigla é a" Mãe de Todas as Bombas ", e que anteriormente detinha o prêmio da mais poderosa arma não-nuclear da história. A bomba contém uma ogiva de 6.400 kg carregando um combustível líquido como o óxido de etileno, misturado com uma nanopartículas energéticas, tais como alumínio, em torno de uma carga de dispersão alto explosiva. 
   O uso militar da bomba termobárica foi adimitido pela então União Soviética na guerra do Afeganistão no início dos anos 1980. Relatos não confirmados sugerem que forças militares russas utilizaram armas termobáricas na Batalha de Grozny ( na primeira e segunda guerras da Chechênia) para atacar combatentes chechenos, sendo utilizado lança foguetes portáteis.
   Durante a crise dos reféns de 2004 da escola de Beslan, foi relatado o uso de armas termobáricas pelas Forças Armadas Russas no seu esforço para retomar a escola. O sistema usado pode ter sido a RPO-A, TGB-7V, RShG-1 ou a RShG-2 durante o ataque inicial a escola. Cerca de três a nove armas RPO-A foram encontradas mais tarde nas posições da Spetsnaz. O Governo russo admitiu mais tarde o uso da RPO-A durante a crise.
   De acordo com Ministério da Defesa do Reino Unido, as forças militares britânicas também usaram armas termobáricas em seus mísseis AGM-114N Hellfire, transportado por helicópteros Apache e UAVs, contra o Talibã na guerra no Afeganistão.
   Os militares americanos também usaram armas termobáricas no Afeganistão. Em 03 de março de 2002, uma bomba de 910 kg guiada a laser foi usado pelo exército americano contra complexos de cavernas em que Al-Qaeda e o Talebã se refugiaram na região de Gardez no Afeganistão. Os fuzileiros navais americanos tambem utilizaram armas termobáricas durante a primeira e a segunda Batalha de Fallujah.
   O uso não militar com explosivos de ar combustível foram usados ​guerrilheiros após atentados contra quartéis em 1983, na cidade de Beirute, no Líbano, foi utilizado um mecanismo explosivo com gás, provavelmente, propano, butano ou acetileno. O explosivo utilizado no atentado de 1993 ao World Trade Center incorporou o princípio da arma termobárica, usando três tanques de gás de hidrogênio engarrafado para melhorar a explosão e como ignitor uma descarga elétrica em um combustível sólido, com base no principio termobárico, e um sistema parecido foi usado para atacar a boate Sari em atentados de 2002 em Bali, Indonésia.

Um comentário:

http://www.mercadozets.com.br/ disse...

MELHOR SITE DE VENDAS http://www.mercadozets.com.br/

VENDE DE TUDO

BOMBA DE AR
http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?texto=bomba+de+ar&IDCategoria=178

CAMPING

http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?idCategoria=178

VENDE DE TUDO TEM BERÇO ELETRONICOS CELULARES TV NOTEBOOK COMPUTADOR ACESSORIOS PARA CARROS BRINQUEDOS ARTIGOS INFANTIS E MUITO MAIS

Videos de aviões

Loading...