" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

sábado, 2 de junho de 2012

Douglas A-4 Skyhawk

Tipo: Caça, ataque ao solo e caça adversário para treinamaneto
País de origem: Estados Unidos
Fabricante: McDonnell Douglas
Primeiro voo: 22 de junho de 1954
Inicio do serviço: outubro de 1956
Retirado des serviço: 2003 na Marinha Americana e 1998 nos Fuzileiros
Status: ainda em serviço entre eles na Marinha do Brasil
Primeiros usuários: Estados Unidos, Israel, Argentina e Singapura
Total produzido: cerca de 2.960
Custo unitário: US$ 860.000 cada para as primeiras 500 unidades
Variantes: Lockheed Martin A-4AR Fightinghawk e ST Aerospace A-4SU Super Skyhawk
Tripulação: 1 ( 2 nas versões OA-4F, TA-4F, TA-4J)
Comprimento: 12.22 m
Envergadura: 8.38 m
Altura: 4.57 m
Área das asas: 24.15 m²
Peso vazio: 4.750 kg
Peso carregado: 8.318 kg
Peso máximo de decolagem: 11.136 kg
Motor: 1 turbina Pratt & Whitney J52-P8A turbojato
Empuxo: 4.218 kg
Velocidade máxima: 1.077 km/h
Alcance: 3.220 km
Alcance de combate: 1.158 km
altitude de serviço: 12.880 m
Razão de subida: 43 m/s
Armamentos: 2 canhões de 20 mm Colt Mk 12 com 100 cartuchos
Pontos de armamentos: 4 sob as asas, 1 sob a fuselagem com capacidade total de munição 4.490 kg
podendo transportar 4 pods de foguetes LAU-10 de 127 mm Mk 32, misseis 4 misseis ar-ar AIM-9 Sidewinder, ou misseis ar-superficie AGM-12 Bullpup, AGM-45 Shrike, AGM-62 Walleye, AGM-65 Maverick e bombas Rockeye-II Mark 20, Rockeye Mark 7/APAM-59 CBU, Mark 80 e bombas nucleares B57 ou B61.
Aviônicos: Radar de baixa altitude Bendix AN/APN-141 e Radar de mapeamento Stewart-Warner AN/APQ-145

   O Douglas A-4 Skyhawk é um caça baseado em porta-aviões, capaz de ataque ao solo desenvolvido para a Marinha Americana e para o  Corpo de Fuzileiros. Um caça de asa em delta e monomotor, o Skyhawk foi concebido e produzido pela Douglas Aircraft Company e, mais tarde McDonnell Douglas. Ele foi originalmente designado como A4D em 1962.
   O A-4 possui um design compacto e leve com um peso máximo de decolagem de 11.100 kg e tem uma velocidade máxima de mais de 970 km / h. A aeronave tem cinco pontos que suportar uma variedade de mísseis, bombas e outras munições e é capaz de lançar armas nucleares utilizando um sistema de bombardeio a baixa altitude.
Os Skyhawks desempenharam um papel importante na Guerra do Vietnã, a Guerra do Yom Kippur e da Guerra das Malvinas. Cinquenta anos após o primeiro voo da aeronave, algumas das 3.000 aeronaves produzidas ainda permanece em serviço em várias partes do mundo, incluindo 12 A-4 (9 A-4KU e 3 TA-4KU) que foram modernizadas (e estão programadas para operar até 2025) na Marinha do Brasil a bordo do porta aviões São Paulo.
   O Skyhawk foi concebido para substituir o velho Douglas A-1 Skyraider. O resultado foi uma aeronave que pesava apenas metade da especificação da Marinha. Tinha uma asa tão compacta que não precisa ser dobrado para o armazenamento no porta aviões.
A aeronave é um projeto convencional pós-Segunda Guerra, com asa baixa em delta, trem de pouso triciclo, com um motor turbojato único na fuselagem traseira, com duas entradas de ar nas laterais da fuselagem. A cauda é de desenho cruciforme, com estabilizador horizontal montado acima da fuselagem. O armamento consiste de dois canhões de 20 mm Colt Mk 12, um em cada asa, com 100 tiros por arma, além de uma grande variedade de bombas, foguetes e misseis.
A escolha de uma em asa delta, por exemplo, combina velocidade e capacidade de manobra, com uma grande capacidade de combustível e pequeno tamanho, portanto, não exigindo asas dobráveis.
   O A-4 foi pioneiro no conceito de avião tanque. Isto permite que o avião forneça para outros do mesmo tipo, eliminando a necessidade de navio-tanque dedicado as aeronaves, uma vantagem particular quando operando em locais remotos. Isso permite muito maior flexibilidade operacional e segurança contra a perda ou avaria da aeronave-tanque, embora este procedimento reduz a força de combate eficaz a bordo do transportador. Um modelo do A-4 foi montado com um grande tanque de combustível externo com uma mangueira na seção de popa e um balde extensível para o reabastecimento. Este avião não tinha armamento. A aeronave de ataque seria armada ao máximo e com tanto combustível fosse permitido, até o limite de peso máximo de decolagem, muito menos do que um tanque cheio. Embora raramente utilizado em serviço o A-4 foi utilizado até a entrada em serviço do avião tanque KA-3 Skywarrior.
O 4-A também foi concebido para ser capaz de fazer uma aterrissagem de emergência, no caso de uma falha hidráulica, pousaria sobre os dois tanques de combustível, oque absorveria o impacto, isso resultaria apenas em danos menores para o nariz da aeronave, que poderia ser reparada em menos de uma hora.
   A Marinha emitiu um contrato para o A-4 Skyhawk em 12 de junho de 1952 e o primeiro protótipo voou pela primeira vez em 22 de junho de 1954. As entregas aos esquadrões da Marinha e dos Fuzileiros Navais foram iniciadas no final de 1956.
O Skyhawk permaneceu em produção até 1979, com 2.960 aeronaves produzidas, incluindo 555 de dois lugares. O último A-4, foi entregue para um esquadrão da Marinha, as bandeiras de todas as nações que tinha operado a aeronave de série foram pintadas nas laterais da fuselagem.
  O A-4 foi usado como um treinador e aeronave adversária até os anos 90, a Marinha começou a remover a aeronave de seus esquadrões de ataque de linha da frente em 1967, com os últimos sendo aposentados em 1976.
O último Skyhawk foi entregue em 1979, e foram utilizados até meados da década de 80, antes de serem substituídos pelo AV-8 Harrier II.
   A versão de instrutor do Skyhawk permaneceu em serviço, com o advento da "formação adversário", onde a agilidade do A-4 foi comparada com o Mikoyan-Gurevich MiG-17 em treinamento de combate aéreo na Escola "Top Gun" até 1999.
O A-4 substituiu o F-4 Phantom II, até a entrada do F/A-18 Hornet na década de 80. O último da modelo A-4 da Marinha Americana o modelo TA-4J, foi usado como reboque de alvos, aeronave adversária e treinamento, estas aeronaves foram oficialmente retiradas de serviço em 3 de maio de 2003.
Além dos Estados Unidos, pelo menos três outras nações usaram o A-4 Skyhawk em combate (Argentina, Israel e Kuwait).
Os Skyhawks realizaram alguns dos primeiros bombardeios aéreos dos EUA durante a Guerra do Vietnã e lançaram as últimas bombas americanas no país. Em 1 de Maio de 1967, um Skyhawk A-4C, derrubou um MIG-17 norte-vietnamita com um foguete não guiado Zuni. 
  A perda do primeiro A-4 em combate ocorreu em 5 de agosto de 1964, enquanto atacava barcos inimigos no Vietnã do Norte, o piloto ejetou após ser atingido por artilharia antiaérea e se tornou o primeiro prisioneiro de guerra da marinha, sendo libertado em 12 de fevereiro de 1973.
Em 29 de julho de 1967, o porta-aviões USS Forrestal estava conduzindo operações de combate no Golfo de Tonkin, durante a Guerra do Vietnã, quando um foguete Zuni explodiu, atingindo um tanque externo de combustível de um A-4, provocando um enorme incêndio que durou horas, matando 134 marinheiros e ferindo 161. 
   Durante a guerra, 362 A-4/TA-4F Skyhawks foram perdidos por várias causas. A Marinha Americana perdeu 271 A-4, os Fuzileiros Navais perderam 81 A-4 e TA-10 4Fs. Um total de 32 A-4 foram abatidos por misseis superfície-ar (SAMS) e um A-4 foi abatido em combate aéreo por um MiG-17 em 25 de abril de 1967. 
Israel foi o maior cliente de exportação dos Skyhawks, sendo o primeiro avião de guerra americado a ser oferecido para a Força Aérea Israelense, assumindo o lugar da França, como principal fornecedor militar de Israel. As entregas começaram após a Guerra dos Seis Dias, e A-4s logo formaram a espinha dorsal da força de ataque ao solo. 
   Eles custam apenas um quarto do que um custo Phantom II e levavam mais bombas. Desde 1966, Israel comprou 217 aviões, além de outros 46 que foram transferidos de unidades norte-americanas para compensar grandes perdas durante a Guerra do Yom Kippur . 
Em maio de 1970, um Skyhawk israelense abateu dois MiG-17 no sul do Líbano (um com foguetes não guiados, o outro com tiros de canhão 30 mm).
No início de 1973, o modelo A-4N entrou em serviço e um deles derrubou um MiG-17 sírio.
   Durante a Guerra do Líbano em 1982 um A-4 israelense foi derrubado sobre o Líbano por um missel SA-7 em 6 de junho de 1982. 
Em outubro de 2008, foi decidido devido a problemas de manutenção que o A-4 Skyhawk seria retirado e substituído pelo F-16, alguns A-4 de Israel foram exportados para a Indonésia.
A Argentina foi o primeiro usuário externo do Skyhawk e tinha quase 130 A-4 entregues desde 1965. A Força Aérea Argentina recebeu 25 A-4Bs em 1966 e outros 25 em 1970, o modelo C tinha pontos de armas e poderia usar misseis AIM-9B Sidewinder. 
   A Aviação Naval Argentina também comprou 16 A-4B e mais dois para peças de reposição, eles foram recebidos em 1971 para substituir F9F Pantera e Cougar F9F no uso do porta-aviões 1º de Mayo.
Os Estados Unidos colocou um embargo de peças de reposição em 1977 devido ao embargo após a  Guerra Suja. Os assentos ejetáveis ​​não funcionaram e houve muitas outras falhas mecânicas. Apesar disto, os A-4s serviram bem na Guerra das Malvinas em 1982, onde alcançou algum sucesso contra a Marinha Real.
   Durante a Guerra das Malvinas, a Argentina usou 48 caças Skyhawk, armados com bombas não-guiadas e sem qualquer defesa eletrônica ou de mísseis para auto-defesa, os Skyhawks Argentinos afundaram alguns navios como o Destroier HMS Coventry, a fragata HMS Antelope, o cargueiro Sir Galahad Fragata HMS Glasgow, a fragata HMS Argonaut, a fragata HMS Broadsword, o navio Sir Tristram e o navio HMS Ardent. Ao todo, 22 Skyhawks (10 A-4Ps, nove A-4C, e três A-4Qs) foram perdidos nas seis semanas de duração do conflito. 
   Depois da guerra da Força Aérea Argentina atualizou alguns A-4Ps e A-4C , sendo retirados de serviço em 1999, sendo substituídos por 36 OA/A-4AR Fightinghawk. 
Em 1983, os Estados Unidos vetaram a entrega por Israel, de 24 de A-4h para a Marinha da Argentina como a substituição A-4T. O A-4Qs sendo finalmente aposentados em 1988.
   Mais recentemente, a Força Aérea do Kuwait utilizou os Skyhawks durante a Operação Tempestade no Deserto em 1991. Quando o Iraque invadiu o Kuwait, o Skyhawks voaram em missões contra o avanço das forças iraquianas. Um total de 24 dos 29 A-4KUs que permaneceu em serviço com o Kuwait (de 36 entregues em 1970) todos fugiram para a Arábia Saudita, junto com caças Mirage F1, voando 1.361 surtidas durante a libertação do Kuwait. Cerca de 23 A-4s sobreviveram ao conflito e à invasão do Iraque, com apenas um A 4KU abatido por forças iraquianas em 17 de janeiro de 1991, o piloto foi feito prisioneiro. O restante dos A-4 do Kuwait foram vendidos ao Brasil, onde, atualmente, servem a bordo do porta-aviões São Paulo. 
   Em 1997, o Brasil negociou um contrato de US $ 70 milhões para compra de 20 A-4KU e  3 TA-4KU. O Skyhawk do Kuwait foram selecionados pelo Brasil por causa do tempo de voo baixo, excelente condição física e um preço favorável. A Marinha do Brasil recebeu o A-4 e re-designou como AF-1 e AF-1A Falcões, sendo recebidos em 5 de setembro de 1998. Em 18 de Janeiro de 2001, um AF-1 foi catapultada com sucesso. 
Em 14 de abril de 2009, a Embraer assinou um contrato, para a modernização de 12 jatos da Marinha do Brasil nove AF-1s (monoposto) e três AF-1A (biposto), o programa inclui a restauração da aeronave e seus sistemas atuais, novos aviônicos, radar, produção de energia e sistemas de geração de oxigênio autônomos.
FOTOS DO A-4: A-4 de Israel, A-4 Argentino reabastecendo, A-4 tanque, A-4 Brasileiro decolando, A-4 dos Blue Angels, Cockpit, Lançando bombas, Lançando missel.

Nenhum comentário:

Videos de aviões

Loading...