" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Grumman F-14 Tomcat

Tipo: Interceptador, superioridade aérea e multi-função
Pais de origem: Estados Unidos
Fabricante: Grumman
Primeiro voo: 21 de dezembro de 1970
Inicio do serviço: setembro de 1974
Status: em serviço no Irã
Primeiros usuários: Estados Unidos, e Força Aérea Iraniana
Total produzido: cerca de 712
Custo unitário: US$ 38 milhões em 1998
Tripulação: 2 piloto e oficial de radar
Comprimento: 19.10 m
Envergadura: asas abertas 19.55 m
Asas fechadas: 11.58 m
Altura: 4.88 m
Área das asas: 54.5 m²
Peso vazio: 19.838 kg
Peso carregado: 27.700 kg
Peso máximo de decolagem: 33.720 kg
Motor: 2 turbinas com pós combustão General Electric F110-GE-400
Empuxo: 6.264 kg cada turbina
Empuxo com pós combustão: 12.609 kg cada turbina
Capacidade máxima de combustível: 7.348 kg interno e dois tanques externos com 9.071 kg externo
Velocidade máxima: 2.485 km/h
Alcance de combate: 926 km
Alcance máximo: 2.960 km
Altitude de serviço: 15.200 m
Razão de subida: 229 m/s
Armamentos: 1 canhão de 20 mm M61 Vulcan de 6 canos com 675 cartuchos, existem 10 pontos para armamentos, 6 sob a fuselagem, 2 sob as naceles and 2 sob as asas com capacidade para 6.600 kg. pode transportar misseis: AIM-54 Phoenix, AIM-7 Sparrow, AIM-9 Sidewinder, bombas: JDAM bombas guiadas de precisão, guiadas a laser, Mk 80 e Mk 20 Rockeye II
Aviônicos: Pod de reconhecimento e aquisição de alvos, Radar Hughes AN/APG-71 AN/ASN-130 INS, IRST, TCS e receptor de video em tempo real para operadores em terra

O Grumman F-14 Tomcat é um caça supersônico, bimotor, de dois lugares, com asas de geometria variável. O Tomcat foi desenvolvido como caça para a Marinha Americana após o colapso do projeto F-111B. O F-14 foi o primeiro dos caças americanos de série projetados para combates aéreos, incorporando a experiência de combate aéreo contra caças MiG durante a Guerra do Vietnã.
O primeiro F-14 voou em dezembro de 1970 e fez a sua primeira missão em 1974 com a Marinha Americana a bordo do USS Enterprise, substituindo o McDonnell Douglas F-4 Phantom II. O F-14 serviu com a Marinha Americana como caça de superioridade aérea marítima, defesa da frota, interceptor e uma plataforma de reconhecimento tático. Na década de 90, acrescentou a navegação a baixa altitude, sistema de infravermelho para a noite, pod com sistema de ataque de precisão ao solo. O Tomcat foi aposentado e retirado da ativa na Marinha Americana em 22 de Setembro de 2006, tendo sido substituído pelo Boeing F/A-18E/F Super Hornet. A partir de 2009, o F-14 está em serviço apenas  com a República Islâmica do Irã, tendo sido exportado para o Irã em 1976, quando os EUA tinham relações diplomáticas com o então governo do Xá Mohammad Reza Pahlavi.
O F-14 Tomcat tem um cockpit de dois lugares com uma bolha que proporciona visibilidade total a sua volta. Possui asas de geometria variável que giram automaticamente durante o voo. Para alta velocidade de interceptação, elas se fecham e se abrem para a frente em voo de baixa velocidade. Ele foi projetado para alcançar melhores resultados que o F-4 e conseguiu na maioria dos aspectos. 
Sua fuselagem e as asas permitem subir mais rápido que o F-4, enquanto que as asas variáveis permitem melhor estabilidade. O F-14 é equipado com um canhão de 20 mm M61 Vulcan montado do lado esquerdo e pode transportar misseis AIM-54, AIM-7 e AIM-9. Os dois motores estão alojados fora da fuselagem, espaçadas entre si por 0,91 m, a fuselagem fornece de 40 a 60 por cento da superfície de sustentação do F-14, dependendo da posição das asas.
As asas de geometria variável do F-14 pode variar de 20 ° e 68 ° em voo e pode ser controlada automaticamente, se for necessário os pilotos podem substituir manualmente o sistema. Quando a bordo de porta aviões, as asas podem ser fechadas a ângulos de 75 ° para para economizar espaço no convês. Em caso de emergência, o F-14 pode pousar com as asas totalmente abertas com 68 °, mas esta situação pode apresentas um risco significativo devido ao aumento da velocidade. Um F-14 voou e pousou em segurança com a asa totalmente aberta, mesmo em um porta-aviões.
As asas possuem uma estrutura de dois tanques de combustível integrais. Grande parte da estrutura, do F-14 é feita de titânio, um material leve, rígido e forte, mas também difícil e dispendioso de soldar. 
Duas superfícies de forma triangular retráteis, chamados palhetas de luva, foram originalmente montadas na parte da frente da asa e pode funcionar automaticamente pelo sistema de controle de voo, em velocidade elevadas. Eles são usados ​​para gerar sustentação adicional, ajudando a compensar as queda do nariz em velocidades supersônicas. 
O nariz da aeronave é grande, pois contém uma tripulação de duas pessoas e vários sistemas aviônicos volumosos. O elemento principal é o radar Hughes AWG-9 banda X, a antena é de 91 cm de largura e tem antenas integradas IFF. O AWG-9 tem pesquisa e vários modos de rastreamento, pode detectar 24 alvos simultaneamente e seis podem estar envolvidos no modo TWS até 97 km. Mísseis de cruzeiro são também alvos possíveis com o AWG-9, que pode bloquear a entrada e rastrear objetos pequenos, mesmo a baixa altitude, quando no modo Pulso-Doppler. No F-14D, o radar AWG-9 foi substituído pelo APG-71 radar.
O F-14 também dispõe de contramedidas eletrônicas e de alerta radar, chaff / flares, link de dados e um sistema de navegação inercial preciso. O sistema de navegação inercial acompanha o movimento da aeronave para calcular a distância e a direção a partir do ponto de partida. O sistema de GPS foi integrado mais tarde para fornecer navegação mais precisa e redundância no caso de qualquer sistema falhar. Os dispensadores de chaff / flare estão localizados no lado de baixo da fuselagem e na cauda. O sistema RWR consiste em várias antenas na fuselagem da aeronave, podendo calcular aproximadamente a direção e distância dos radares inimigos. Também pode diferenciar entre radares de busca, rastreamento e mísseis. 
Destaque para o conjunto de sensores infravermelho AN/ALR-23, mas este foi substituído por um sistema óptico, Northrop AAX-1. Os pilotos ajudam a identificar visualmente e controlar a aeronave, até um alcance de 97 km, isto permite que o detector siga a aeronave. Um sistema de detecção de infravermelho duplo / óptico foi adotado pelo F-14D. 
O F-14 foi projetado para combater aeronaves altamente manobráveis, misseis de cruzeiro soviéticos e bombardeiros. O Tomcat era para ser uma plataforma para o AIM-54 Phoenix, mas F-111B foi escolhido. Operacionalmente, a capacidade de armazenar até seis mísseis Phoenix nunca foi usado, embora os primeiros testes terem sidos realizados, nunca houve uma ameaça, que justificasse o uso de seis misseis contra alvos hostis. Durante o auge das operações da Guerra Fria o F-14 era normalmente carregado com um AIM-54 Phoenix, dois AIM-9 Sidewinder, dois AIM-7 Sparrow III, um canhão de 20 mm de munição e dois tanques extras de combustível. 
O F-14 em uso: O F-14 começou a substituir o F-4 Phantom II a partir de setembro de 1974, a bordo da USS Enterprise e participou da retirada americana de Saigon. O F-14 teve suas primeiras vitórias em 19 agosto de 1981 sobre o Golfo de Sidra, em que dois F-14 abateram dois SU-22 líbios. Em 4 de Janeiro de 1989, dois F-14 abateram dois MIG-23 líbios tambem no Golfo de Sidra.
Na Operação Tempestade no Deserto em 21 de Janeiro de 1991, um F -14A foi abatido por um missel SA-2 terra-ar durante uma missão de escolta perto de Al Asad, no Iraque. A tripulação sobreviveu mas apenas o piloto foi resgatados pelas Forças Especiais, seu co-piloto foi capturado pelas tropas iraquianas e feito prisioneiro até o final da guerra. O F-14 também abateu um helicóptero Mi-8 Hip, com um AIM-9 Sidewinder.
Em 1994, o Congresso rejeitou a proposta da Grumman de atualização do F-14 Tomcat para uma, versão mais barata e mais avançada. A Marinha Americana escolheu o F/A-18E/F Super Hornet para preencher os papéis de defesa da frota. Os últimos dois esquadrões de F-14 baseados em terra, realizaram o último voo, em 10 de março de 2006.
O último F-14 a decolar de um porta aviões, foi em 28 de julho de 2006 a partir do USS Theodore Roosevelt, a última missão de combate do F-14 americano foi concluída em 8 de fevereiro de 2006, quando um par de Tomcats desembarcaram a bordo do USS Theodore Roosevelt após terem lançados bombas sobre o Iraque. 
A cerimônia oficial de aposentadoria do F-14 foi em 22 de Setembro de 2006, todas as aeronaves foram levadas para a Base da Força Aérea em Davis-Monthan no deserto do Arizona.
O único cliente estrangeiro do Tomcat foi a Força Aérea Imperial do Irã, durante o reinado do último xá (rei) do Irã, Mohammad Reza Pahlavi. No início dos anos 70, o Irã estava procurando um caça capaz de interceptar os caças soviéticos MiG-25 "Foxbat" em seus voos de reconhecimento. Depois de uma visita do presidente dos EUA Richard Nixon ao Irã em 1972, foi oferecido a mais recente tecnologia militar americana, o Irã escolheu entre o F-14 Tomcat e o McDonnell Douglas F-15 Eagle. Em Janeiro de 1974, o Irã comprou 30 F-14s e 424 mísseis AIM-54 Phoenix, no valor de US$ 300 milhões. Alguns meses mais tarde, esta compra foi aumentada para um total de 80 Tomcats e 714 mísseis Phoenix, bem como peças sobressalentes e motores de substituição para 10 anos, pacote de armamento completo, e infra-estrutura de suporte (incluindo a construção da enorme Base Aérea de Khatami no deserto perto de Esfahan).
O primeiro F-14 chegou em janeiro de 1976, no ano seguinte, mais 12 foram entregues. Enquanto isso, a formação dos primeiros grupos de tripulações iranianas pela Marinha Americana, estava em andamento e um deles abateu um drone com um míssil Phoenix a 15.000 m de altitude.
Após a derrubada do Xá, em 1979, o Irã cancelou encomendas de armas ocidentais. Em 1980, um F-14 iraniano abateu um helicóptero Mil Mi-25 iraquiano durante o conflito Irã-Iraque.
Nos primeiros seis meses da Guerra, os F-14 iranianos tiveram mais de 50 vitórias, contra caças iraquianos Su-20/22, MiG-21 e MiG-23, sendo que apenas um único F-14A foi danificado - por destroços de um MiG-21 que explodiu em sua frente.
Em 1987, os iraquianos sofreram perdas tão pesadas para Tomcats iranianos que eles foram forçados a encontrar uma solução, no início de 1988 a França conseguiu entregar caças Mirage F-1, equipados com misseis Super Magic 530d e Mk.2, para o Iraque, após uma série de batalhas aéreas, finalmente dois caças F-14 iranianos foram abatidos por caças Mirages F-1.
O Irã possui cerca de 44 F-14, sendo apenas 20 operacionais em 2009. No entanto, fontes militares iranianas dizem que, através da construção de peças de reposição e renovação, eles possuem agora 25 caças operacionais.
Em janeiro de 2007, o Departamento de Defesa Americano anunciou que as vendas de peças de F-14 seriam suspensas, em julho de 2007, o restante dos caças F-14 foram destruídos para garantir que qualquer partes não pudesse ser adquirida. Em 2010, o Irã pediu que os Estados Unidos entregassem os 80 F-14 que haviam sido comprados em 1974, mas a entrega foi negado após a Revolução Islâmica.
Em 26 de Janeiro de 2012, um F-14 iraniano caiu três minutos após a decolagem, ambos tripulantes morreram. 


Nenhum comentário:

Videos de aviões

Loading...