" Criei um aparelho para unir a humanidade, não para destruí-la. " - Santos Dumont

" Um prisioneiro de guerra é um homem que tentou matá-lo, não conseguiu e agora implora para que você não o mate. " - Winston Churchill
" Não sei como será a terceira guerra mundial, mas sei como será a quarta: com pedras e paus - Albert Einstein
" O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país, mas fazer o inimigo morrer pelo dele - George S. Patton. "
" Só os mortos conhecem o fim da guerra " - Platão
"Em tempos de paz, os filhos sepultam os pais; em tempo de guerra, os pais sepultam os filhos." - Herodes

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Gás de Cloro - Arma Quimica


Tipo: Arma química, cloro em gás

País de origem: Alemanha Nazista

Oque causa: Bloqueio pulmonar

Tipo de ataque: Lança-granada, cilindros e bombas lançadas de aviões a baixa altitude

A eficácia das armas químicas deve-se ao modo de ataque, disseminação e posição do alvo. As técnicas mais comuns de uso incluem bombas, projéteis e ogivas, que permitem a disseminação a uma distância considerável e em ataques com aviões, pulverizando uma grande aréa a baixa altitude. O armazenamento das munições são de grande importância. Embora haja muitos avanços no ataque com armas químicas desde a Primeira Guerra Mundial, é ainda difícil conseguir a dispersão eficaz. A disseminação, dependente de circunstâncias atmosféricas porque muitos agentes químicos atuam no estado gasoso. Assim, as observações do tempo e a previsão são essenciais para o uso dessas armas e reduzir o risco de ferir forças aliadas.

A dispersão tem que ser feita em cima ou junto ao alvo, imediatamente antes da disseminação, de modo que o material seja o mais eficiente. A dispersão tem sido a técnica mais simples de usar um agente em um alvo. A primeira munição química real, o rifle lançador de granada, com cartucho de 26 mm, contendo 35g cloro, e foi usado no outono 1914, com pouco efeito nos alemães. Os alemães de um lado tentaram aumentar o efeito, adicionando um irritante Hans Tappen, um químico do departamento de Artilharia Pesada do Ministério da Guerra Alemã, sugerido a seu irmão, o chefe das operações gerais alemãs, o uso do gás brometo benzyl ou o gás brometo do xylyl. Devido ao tempo frio, o líquido não vaporizou, e o primeiro uso contra os russos em Bolimov em 31 de janeiro de 1915 passou despercebido pelos aliados. O primeiro uso eficaz, foram com cilindros simplesmente abertos, fazendo com que o vento carregasse o cloro através das linhas inimigas. A entrega do gás dependeu extremamente da velocidade do vento e do sentido. Se o vento era inconstante, o gás poderia fundir para trás, causando vítimas aliadas. As nuvens de gás davam aviso, dando tempo do inimigo se proteger-se, isto fez do gás o dobro da eficacia desejada, seja fisicamente ou psicológica nas. Uma outra desvantagem era que as nuvens de gás tinham alcance limitado, capaz somente de afetar a linha da frente nas trincheiras antes de dissipar. Foi desenvolvido, o ataque por projéteis, esta técnica superou em muito os riscos de utilizar o gás em cilindros. Dessa maneira, o ataque não dependeria do tempo, e não haveria aviso do ataque, pois o gás é fosfogénio e quase inodoro. Uma solução britânica ao problema de uso de artilharia, pois deveria haver grandes ataques para dispersar o gás em uma grande aréa, dessa maneria optou-se em lançar os cilindros de cerca de 14 kg a uma distância de 1500 metros. Isto combinou o volume do gás de cilindros com a escala da artilharia. Nos anos 50 e começo dos anos 60, os foguetes, bombas de fragmentação e submunições com ogivas químicas, aumentaram o raio de ação das nuvens com agentes químicos diretamente no alvo.

Nenhum comentário:

Videos de aviões

Loading...